No total, a FAB poderá encomendar até 108 caças Gripen, que substituirão todos os Mirage 2000 (já desativados), F-5M (desativados até 2025) e AMX (desativados até 2030).

A entrega de hoje faz parte do pedido inicial de 36 caças, que será recebido em etapas até 2026. Serão 28 JAS 39E Gripen e 8 JAS 39F.

A sueca Saab desenvolveu o programa de caça Gripen-NG com duas variantes, o JAS 39E Gripen e o JAS 39F Gripen.

A linha JAS 39 Gripen se destaca por boa capacidade de combate misto, baixo custo operacional, fácil manutenção e avançado sistema eletrônico de bordo.

Enquanto o JAS 39E (1 assento), entregue hoje, é a versão padrão de combate desenvolvida pela Saab, o JAS 39F (2 assentos) está sendo projetado por um consórcio e será usado para treinamento, controle do espaço aéreo e guerra eletrônica. Servirá também para a execução de missões de ataque qualificado, de alta complexidade, que exigem um artilheiro a bordo.

O Gripen E use mísseis ar-ar, fora das visões modernas dos EUA e da Europa, como AIM-120C-7  AMRAAM, AIM-9X Sidewinder e MBDA Meteor .
O Gripen E usa mísseis ar-ar, como AIM-120C-7 AMRAAM, AIM-9X Sidewinder e MBDA Meteor, contrastando com visões modernas dos EUA e da Europa. Foto: Divulgação/Saab

O JAS 39F tem características mais poderosas do que a versão padrão de combate graças ao motor F414G, fabricado nos EUA, sistema de radar de fase ativa (AESA) Raven ES-05, tanque de combustível maior, e estrutura aprimorada para suportar o aumento de peso e o maior alcance.

O JAS 39F Gripen está sendo desenvolvido em conjunto pela Saab e as brasileiras Embraer Defesa e Segurança (EDS), Ael Sistemas, Akaer e Atech.  Designado como F-39 na Força Aérea  Brasileira, a primeira aeronave está prevista para ser entregue em 2023, no final do contrato.

Segundo informa o Estadão, há 150 engenheiros trabalhando no projeto, a maior parte deles no Centro de Projetos e Desenvolvimento do Gripen (CPDG) no núcleo industrial da EDS, em Gavião Peixoto, a 300 Km da capital paulista e próximo de Araraquara. A expectativa é chegar a 400 especialistas.

O contrato atual, de US$ 4 bilhões, prevê amplo acesso a tecnologias capazes de dar a agências do governo brasileiro, e a complexos industriais, a capacidade de projetar uma aeronave de combate de alto desempenho.

Das 36 aeronaves contratadas, 13 caças serão totalmente produzidos na Suécia, em Linköping, com acompanhamento de técnicos brasileiros, e 23 vão ser integrados parcialmente na planta industrial da EDS.

Um estágio de montagem do caça sueco JAS 39 Gripen. Foto: Divulgação/Saab.
Um estágio de montagem do caça sueco JAS 39 Gripen E. Foto: Divulgação/Saab.

AMX

Em abril, foi noticiado que a FAB iria modernizar 14 jatos de ataque Alenia-Embraer AMX.

A Embraer Defesa e Segurança tinha sido encarregada de atualizar 33 A-1A (1 assento) e 10 A-1B (2 assentos) para o padrão A-1M. Por restrição orçamentária, serão reformados 11 A-1A e três A-1B, um terço do planejado.

A frota AMX, originalmente composta de 56 aeronaves (45 A-1A e 11 A-1B), está prevista para ser retirada de serviço em 2030, substituída por caças Gripen.

A expectativa é de que a convivência da Força Aérea com o Gripen E/F se estenda além de 2060.

Os caças F5 da FAB serão retirados de serviço até 2025. Foto Divulgação/FAB
Os caças F5 da FAB serão retirados de serviço até 2025. Foto Divulgação/FAB

* Com informações do Exército Popular do Vietnã e do Estadão

Veja também: