As importações paulistas também recuaram no período, somando US$ 38 bilhões, uma redução de -16% em relação a 2019 que reflete a diminuição da demanda de bens intermediários importados. A queda nas importações brasileiras foi de -14%.

Os dados, extraídos mensalmente do sistema ComexStat e analisados pelo Departamento de Relações Internacionais e Comércio Exterior da Fiesp e do Ciesp, constam do último relatório Balança Comercial das Diretorias Regionais, com o desempenho das 42 diretorias regionais do Ciesp.

A regional de Sertãozinho registrou crescimento de +80% em suas exportações no período, com aumento nos embarques de açúcar (+83%), sementes e frutos oleaginosos (+308%) e resíduos das indústrias alimentares (+120%). A China foi o principal destino dos produtos da regional, com participação na pauta superior a 25% entre janeiro e setembro de 2020.

A regional de Araraquara também apresentou aumento expressivo (+54%) em relação a 2019, destacando-se as exportações de produtos do setor aeronáutico, com os Estados Unidos responsável por 27% do total da pauta.

Destaca-se ainda São Caetano do Sul. As vendas da regional cresceram +56%, para US$ 266 milhões no período, com a retomada da demanda no mercado automotivo da Argentina.

O relatório também aponta que as empresas da regional Campinas exportaram, de janeiro a setembro deste ano, US$ 1,9 bilhão, recuo de -27% comparado ao mesmo período do ano passado. Já o setor produtivo da região importou US$ 7,33 bilhões, queda de -11%. A corrente do comércio exterior da regional Campinas caiu -15% e o saldo dos primeiros nove meses foi novamente negativo (US$ -5,4 bilhões), menor que o deficit de US$ -5,7 bilhões registrado no mesmo período de 2019, em função da desaceleração da economia regional.

No período analisado, os principais destinos das exportações das empresas da região de Campinas foram Estados Unidos (19%), Argentina (13%) e Holanda (6%). As importações vieram da China (24%), Estados Unidos (16%) e Índia (7%).

* Com informações da FIESP

Veja também: