O governo chinês suspendeu oficialmente o seu lockdown em Xangai, encerrando uma das maiores experiências prisionais da história humana, na qual cerca de 25 milhões de pessoas foram confinadas à força em suas moradias.

A retomada em 1º de junho "não é de forma alguma o caso de que cada pessoa em cada distrito de toda a cidade será capaz de sair livremente", e não se trata de "retorno abrangente à normalidade", esclareceram as autoridades em instruções de censura à imprensa chinesa.

O lockdown rigoroso prejudicou a economia do centro financeiro e comercial: as vendas totais no varejo em Xangai caíram 48% em abril em relação ao mesmo período do ano passado, o equivalente a mais de US$ 10 bilhões em receita perdida, de acordo com estatísticas divulgadas pelo governo da cidade.

A maior exceção ao lockdown foi feita para os trabalhadores considerados críticos, um grupo que inclui empregados de montadoras e de produtoras de chips, que passaram os últimos dois meses dormindo dentro de fábricas e escritórios, isolados de suas famílias.

O custo humano total da política em Xangai, incluindo o número de pessoas que podem ter morrido durante ou devido ao lockdown, ainda não está claro.

Embora a abordagem "Covid Zero" da China à pandemia tenha sido justificada pelo governo e seus defensores como "dura mas eficaz", na verdade seus benefícios para a saúde não são verificáveis, devido a ocultação e falsificação de dados relacionados à doença — um padrão que remonta às origens do vírus.

Censura

As seguintes instruções de censura foram emitidas às empresas de mídia pelas autoridades governamentais, no dia 30 de maio, e vazadas em redes sociais:

Às 18:00 desta noite, [...] revelou as próximas mudanças na entrada e saída para distritos residenciais, operações de transporte público, uso de veículos privados etc.

Todos os meios de comunicação, por favor, prontamente republiquem para informar amplamente os moradores da cidade.

Nas matérias, tome cuidado para manter um controle firme sobre o texto; títulos e conteúdos devem ser precisos, para evitar ambiguidade ou interpretações erradas.

Use métodos como comentário promovido para implementar vigorosamente orientações on-line e garantir a compreensão, cooperação e apoio das massas.

Os requisitos específicos são os seguintes:

Não use a frase "fim do lockdown". Ao contrário de Wuhan, Xangai nunca declarou lockdown, então não há "fim do lockdown".

Todas as partes de Xangai foram submetidas a supressões e suspensões, mas as funções principais da cidade continuaram operando durante este período. Enfatize que as medidas relacionadas foram temporárias, condicionais e limitadas.

A retomada em 1º de junho também será condicional: não é de forma alguma o caso de que cada pessoa em cada distrito de toda a cidade será capaz de sair livremente de uma vez, nem que este seja um relaxamento uniforme. As matérias não devem mencionar "relaxamento abrangente" ou "abrangente [retorno à] normalidade" ...

(30 de maio de 2022)

Leitura recomendada:

Veja também: