Após a retirada unilateral dos Estados Unidos do tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF) no ano passado, o New START (Strategic Arms Reduction Treaty), de 2010, continua sendo o único acordo de controle de armas ativo entre as duas potências nucleares. O tratado deve expirar em fevereiro de 2021 e as negociações para estendê-lo até agora estão em um impasse.

O tratado bilateral mantém os arsenais dos dois países bem abaixo do nível da Guerra Fria, limitando o número número de ogivas nucleares que os EUA e a Rússia podem possuir a 1.550 cada.

O fracasso em prolongar o acordo deixaria o mundo "sem quaisquer instrumentos para conter uma corrida armamentista", disse o Presidente Putin ao Conselho de Segurança da Rússia na sexta-feira (16).

Tendo reduzido a posição de negociação dos EUA a uma simples proposição de "pegar ou largar", baseada em uma série de demandas – participação chinesa obrigatória, inclusão de armas nucleares táticas russas e exclusão das armas nucleares da OTAN, para citar apenas três – as quais Moscou nunca concordou, o negociador dos EUA, Marshall Billingslea, anunciou que os lados haviam chegado a "um acordo em princípio" no início desta semana, enquanto lançava outra exigência.

“Estamos, de fato, dispostos a prorrogar o New START por algum tempo, desde que eles [a Rússia], em troca, concordem com uma limitação – um congelamento – em seu arsenal nuclear”, disse Billingslea, chamando Moscou de “infrator em série do tratado”.

Os EUA querem estender o New START em menos de cinco anos, e apenas por um memorando de intenções, em vez de um tratado vinculativo. Medidas adicionais de controle de armas seriam codificadas em um "acordo de cavalheiros".

Billingslea acrescentou que Washington manterá o Reino Unido e a França fora do acordo, pois não estão “desenvolvendo e implantando ativamente” armas nucleares na mesma escala que a China.

A proposta americana, sem qualquer concessão recíproca significativa, foi rejeitada pelo Ministério das Relações Exteriores russo, que a considerou inaceitável.

Na sexta-feira (16), o Assessor de Segurança Nacional da Casa Branca Robert O'Brien disse que a resposta russa, de estender o tratado sem congelar as ogivas nucleares, também é inaceitável.

* Com informações do RT

Veja também: