As lacunas estão localizadas na área do projeto Yuma 6, um trecho de barreira de aço perto da cidade de Yuma, no Arizona, que foi erguida usando fundos do Pentágono pela administração Trump.

O setor Yuma rapidamente emergiu como o terceiro mais movimentado de nove setores ao longo da fronteira, com grande parte do tráfego canalizando através da Represa Morelos. Os migrantes chegam à pequena cidade de Algodones e caminham através de uma borda de concreto na represa até solo americano, onde esperam que agentes da patrulha de fronteira os levem sob custódia, contando que a política de Biden de Catch and Release (capturar e soltar) se aplique e eles sejam libertados nos EUA até uma eventual audiência judicial.

Os agentes pararam os migrantes mais de 160.000 vezes de janeiro a junho no setor Yuma, quase quadruplicando as detenções do mesmo período do ano passado. Os únicos setores com mais interceptações de migrantes foram o Del Rio e o Vale do Rio Grande, no sul do Texas.

O setor Yuma tem sido especialmente atraente para colombianos, venezuelanos e outros que voam para Mexicali, México, e pegam uma curta viagem de ônibus ou táxi para Algodones para atravessar a fronteira, antes de ser liberados para ficar nos Estados Unidos.

Enquanto Biden interrompeu a conclusão do muro por ordem executiva, o anúncio do DHS ocorre à medida que os EUA enfrentam um fluxo recorde de migrantes ilegais.

Agentes da patrulha de fronteira detiveram cerca de 1,74 milhão de migrantes entrando ilegalmente nos EUA nos primeiros nove meses do ano fiscal de 2022, superando o total de 1,73 milhão de 2021.

Fonte/arte: © WOLA
Fonte/arte: © WOLA

O Senador Democrata Mark Kelly, do Arizona, que busca a indicação de seu partido na próxima semana para defender a cadeira em novembro, pressionou a Administração Biden a fechar as lacunas, chamando-as de um desafio para as autoridades que tentam proteger a fronteira.

Mas o ambientalista do Arizona Myles Traphagen disse que fechar as lacunas não será um grande impedimento.

Traphagen disse que a área de Yuma "tornou-se a nova Ilha Ellis para o Arizona, com pessoas chegando lá de países tão diferentes quanto a Etiópia, Cuba, Rússia, Ucrânia, Índia, Colômbia e Nicarágua".

Também tem sido o ponto de entrada de muitos brasileiros.

"As pessoas viajaram meio caminho ao redor do mundo em aviões, trens e automóveis", disse Traphagen, "então esperar que fechar quatro pequenas lacunas as faça virar e reservar um voo de retorno na Air Ethiopia é pura fantasia".

O Secretário do DHS, Alejandro Mayorkas, disse em um comunicado que a área apresenta riscos de segurança e de vida para os migrantes e agentes.

"Devido à proximidade da Represa Morelos e ao rápido rio Colorado, esta área apresenta riscos de segurança e risco de vida para os migrantes que tentam atravessar para os Estados Unidos, onde há risco de afogamentos e ferimentos causados por quedas. Essa área também representa um risco de vida e segurança para os socorristas e agentes que respondem a incidentes nesta área", diz a nota.

A construção das novas barreiras sairá do orçamento do DHS, disse Mayorkas, mas não ficou claro quando as obras serão iniciadas.

"Antes da construção, a DHS se envolverá em planejamento ambiental padrão e realizará a divulgação e consulta das partes interessadas. O DHS se moverá o mais rápido possível, mantendo a administração ambiental", diz a nota do DHS.

Trump destinou US$ 3,8 bilhões em fundos militares para o muro em 2020, depois que o Congresso negou repetidamente os fundos necessários para murar toda a fronteira de 1.950 milhas dos EUA com o México.

Quando Trump deixou o cargo, 450 milhas de muro haviam sido construídos.

Biden prometeu na campanha que "nem mais um pé [30,5cm]" de muro seria construído por sua administração.

Os Democratas, incluindo Biden, argumentaram que o muro, de 5,5 a 9,2 metros de altura, não impediria a migração.

Por sua vez, um artigo de 2020, Fenced Out: The Impact of Border Construction on US-Mexico Migration, publicado no American Economic Journal: Applied Economics, sugere que a construção do muro reduz a migração em 30% localmente, 15% em cidades adjacentes e até 35% em municípios não fronteiriços.

Catch and Release é um expediente do governo federal que transfere o ônus do descontrole das fronteiras para Estados e municípios, cortando ainda os custos de alojamento, alimentação e assistência médica, entre outros, que teria que prestar aos migrantes detidos. Como a maioria dos migrantes tem um nível baixo de educação e não tem documentos para trabalhar no país, muitos tentam sobreviver com salários miseráveis, ou ingressam no crime, agravando o problema social que já existe nas grandes cidades.

Atualização 31/07/2022

O ex-presidente Donald Trump criticou a prefeita de Washington, Muriel Bowser, depois que ela pediu que a Guarda Nacional fosse mobilizada para lidar com o fluxo de imigrantes ilegais que estão sendo transportados de Estados do sul.

"A prefeita de Washington, D.C., quer que a Guarda Nacional ajude com os milhares de imigrantes ilegais, vindos da insana Open Border (Fronteira Aberta), que estão inundando a cidade, mas recusou ajuda da Guarda Nacional quando se tratava de fornecer segurança no Capitólio para uma multidão muito maior em 6 de janeiro", escreveu Trump em rede social.

O governo Bowser enviou cartas à Casa Branca e ao Pentágono pedindo ajuda federal, descrevendo a situação na capital dos Estados Unidos como uma "crise humanitária". Em uma das cartas, Bowser acrescentou que os imigrantes que chegaram tinham levado sua cidade a um "ponto de inflexão".

Bowser, uma Democrata, culpou o Arizona e o Texas em outra carta, dizendo que a crise dos migrantes é "cruel jogo político dos governadores do Texas e Arizona".

O Governador do Texas, Greg Abbott, e o Governador do Arizona, Doug Ducey, ambos Republicanos, anunciaram programas de transporte para enviar imigrantes ilegais em viagens gratuitas para Washington, D.C., após a decisão do Presidente Joe Biden de levantar uma política de imigração da era pandêmica para expulsar estrangeiros ilegais. O primeiro ônibus que transportava imigrantes do Texas chegou a D.C. em abril, com o Arizona enviando seu primeiro ônibus em maio.

Desde então, Washington recebeu cerca de 6.100 imigrantes em 155 ônibus, relatou o Stars and Stripes em 28 de julho.

Respondendo ao pedido de Bowser para a Guarda Nacional, Abbott escreveu em rede social que o problema que a capital do país está enfrentando é pequeno comparado com o que o Texas tem lidado.

"D.C. está experimentando uma fração do impacto desastroso que a crise na fronteira causou ao Texas", afirmou Abbot. "A Prefeita Bowser deveria parar de atacar o Texas por proteger a fronteira e exigir que Joe Biden faça seu trabalho".

Legisladores do Partido Republicano também sugeriram que Bowser deveria reclamar de seus problemas com Biden.

"A prefeita Bowser agora entende como é ser um Estado fronteiriço. Como você acha que as pessoas no Texas se sentem?", disse o parlamentar Randy Weber (R-Texas) em rede social.

Weber acrescentou: "Ela deveria bater na porta de Biden e dizer-lhe que há uma crise em nossa fronteira sul e que cada Estado é um Estado fronteiriço".

Operação Estrela Solitária

Em 29 de julho, o gabinete de Abbott divulgou um comunicado à imprensa detalhando o que havia realizado com a Operação Estrela Solitária, um programa lançado em março de 2021 para prevenir atividades criminosas ao longo da fronteira, incluindo contrabando de drogas e tráfico de pessoas.

"Desde o lançamento da Operação Estrela Solitária, o esforço multiagências levou a mais de 287.000 apreensões de migrantes e mais de 17.700 prisões criminais, com mais de 15.100 acusações criminais relatadas", afirma a nota.

"Na luta contra o fentanil, o DPS [Departamento de Segurança Pública do Texas] apreendeu mais de 325 milhões de doses letais em todo o Estado", acrescenta.

"A Operação Estrela Solitária continua a preencher as perigosas lacunas deixadas pela recusa do governo Biden em proteger a fronteira", afirma o comunicado. "Todo indivíduo que é preso e cada grama de droga apreendida teria entrado em comunidades em todo o Texas e no país devido às políticas de fronteira aberta do Presidente Biden".

New York City

Na sexta-feira (29), o governador Abbott emitiu uma declaração em resposta às acusações do Prefeito de New York, Eric Adams, que alegou que o Texas estava enviando migrantes para lá, criando um fardo sobre os recursos da cidade de New York.

"O problema do Prefeito Adams não é com o Texas. É com a recusa do Presidente Biden em parar esta crise fronteiriça e proteger nossa fronteira sul. As políticas de fronteira aberta do Presidente Biden criaram esta crise humanitária em curso, permitindo que travessias ilegais recordes e drogas mortais como o fentanil inundassem nosso Estado. Uma crise que tomou conta e sobrecarregou nossas cidades fronteiriças e comunidades em todo o nosso Estado, cujos pedidos de ajuda foram ignorados e sem resposta pela Administração Biden. Lancei nossa missão de ônibus na fronteira em abril para ajudar nossos parceiros locais, ônibus que levaram mais de 5.500 migrantes para Washington, D.C. até agora. O Texas não levou nenhum migrante para New York. Em vez disso, é o Presidente Biden que tem levado aviões cheios de migrantes para New York. O Prefeito Adams deve abordar sua frustração com os migrantes com a causa raiz: Joe Biden".

Atualização 05/07/2022

O Departamento de Defesa negou, nesta sexta-feira (5), o pedido da prefeita de Washington, Muriel Bowser, do envio de 150 soldados da Guarda Nacional, em meio ao que ela chamou de "crise humanitária" quando um fluxo de migrantes chegou à capital do país.

"O número de pessoas que cruzam a fronteira em busca de asilo, esperamos apenas aumentar, e precisamos ter certeza de que há uma resposta nacional", disse Bowser.

A Reuters informou na quinta-feira que os comentários e seus pedidos causaram tensões com a Casa Branca. Autoridades discordaram de sua avaliação de uma "crise" – termo que o governo Biden se esquiva ao discutir a fronteira – e julgaram seu pedido como desnecessário.

* Com informações da NBC News, Epoch Times, Office of the Texas Governor

Veja também: