Para a realização do estudo, uma população de 1.289 pacientes adultos sintomáticos, que tiveram resultado positivo para Covid-19 e tiveram seu grupo sanguíneo documentado, foi selecionada de mais de 7.600 pacientes sintomáticos em cinco hospitais da região de Boston, incluindo Mass General e Brigham and Women's Hospital, atendidos entre 6 de março e 16 de abril deste ano.

O Massachusetts General Hospital (MGH), fundado em 1811, é o maior hospital de ensino da Harvard Medical School (HMS), e o MGH Research Institute é o maior programa de pesquisa hospitalar dos Estados Unidos.

Os resultados do estudo, publicado em Annals of Hematology, afastam hipóteses que sugeriam correlação entre certos tipos sanguíneos e a Covid-19.

Embora existam evidências de que a tipagem sanguínea desempenha um papel na aquisição e gravidade de outras doenças, nesta grande revisão retrospectiva multi-institucional a análise estatística determinou o efeito independente do tipo sanguíneo na intubação e/ou morte dos pacientes infectados.

"O desfecho primário de interesse, intubação composta ou morte, não produziu associação com o tipo sanguíneo; além disso, não houve associação significativa com o tipo sanguíneo e necessidade de hospitalização, necessidade de pronação durante a intubação ou de qualquer um dos marcadores inflamatórios revisados ​​neste estudo em análise univariada. Dada a falta de associação entre o subtipo ABO e a doença grave encontrada nesses dados, bem como os dados preliminares de Zietz e Tatonetti, a tipagem sanguínea não deve ser considerada prognóstica naqueles que adquirem a doença", afirmam os autores.

"O tipo sanguíneo não está associado ao risco de progressão para doença grave que requer intubação ou causa morte, nem está associado a níveis mais altos de pico de marcadores inflamatórios", concluiu o estudo.

"Essas evidências devem ajudar a descartar relatos anteriores de uma possível associação entre o tipo sanguíneo A e um risco maior de infecção e mortalidade por Covid-19", disse a Dra. Anahita Dua, professora da HMS e co-autora do estudo.

* Com informações do Mass General Hospital (MGH)

Leitura recomendada: