Dados do ministério publicados na manhã de quarta-feira (29) mostraram 2.967 infecções confirmadas na terça-feira, um número semelhante ao do dia anterior, que havia sido um recorde de três meses, aponta o jornal Times of Israel.

O ministério afirmou que 2,48% de todos os testes deram positivo na terça-feira, uma nova alta para a onda atual impulsionada pela variante Ômicron. Havia 17.260 casos ativos no país, o dobro de uma semana atrás.

Pela primeira vez, a maioria das infecções foi registrada na comunidade, não em pessoas que voltaram recentemente do exterior ou aquelas com as quais entraram em contato, indicando que os números reais são provavelmente muito maiores do que os oficiais.

No entanto, o aumento acentuado de infecções não se traduziu em um aumento nas hospitalizações por covid-19 e em casos graves. Havia 88 pacientes graves, um número semelhante ao das últimas semanas, incluindo 39 em ventiladores e 18 em máquinas de ECMO (oxigenação por membrana extracorporal), uma técnica de suporte de vida que usa uma bomba para fazer circular o sangue por um pulmão artificial fora do corpo, regressando depois à corrente sanguínea, usada em doentes com falência cardiovascular ou pulmonar.

Nos últimos oito dias foram registrados três novos óbitos por covid-19.

"À luz da falta de aumento imediato de complicações graves, o noticiário do Canal 12 informou na noite de terça-feira (28) que altos funcionários do Ministério da Saúde recentemente levantaram a opção de mudar para um 'modelo de infecção em massa'", relatou o Times of Israel.
"O aumento da prevalência da cepa Ômicron – que é mais contagiosa do que a variante Delta, mas causa doenças mais brandas – levou as autoridades israelenses a considerar tal movimento", afirmou o noticiário da TV israelense, sem nomear a fonte. O ritmo lento de vacinação infantil e a relutância em impor um lockdown ou outras restrições importantes "não permitem nenhum outro modelo".

"Isso refletiria a política da Suécia no estágio inicial da pandemia, que viu o país decidir não impor grandes restrições às pessoas que não estão em grupos de risco, em uma tentativa de continuar com uma vida normal e, ao mesmo tempo, alcançar a imunidade coletiva", lembrou o jornal de Israel.

As autoridades de saúde estimam que dentro de duas semanas, 90% dos casos de covid-19 em Israel serão Ômicron.

Atualização 30/12/2021

As campanhas israelenses de vacinação utilizaram a vacina Comirnaty.

Os últimos dados oficiais de Israel mostram que o imunizante da Pfizer-BioNTech tem sido altamente efetivo na prevenção da covid-19 grave.

Contudo, as vacinas atuais fracassaram no objetivo de conter a disseminação do vírus e, portanto, não são suficientes para acabar com a pandemia, algo que foi antecipado de longa data por cientistas da Suécia e, agora, reconhecido por pesquisadores em todo o mundo.

Cabe ainda lembrar que o surgimento da variante Ômicron causa grave impacto na relação benefício-risco das vacinas gênicas, exigindo uma reavaliação dos reguladores sobre o uso em cada faixa etária.

O Ministério da Saúde de Israel classifica da seguinte forma o estado de vacinação:

  • vacinados – pessoas que receberam a 3ª dose de vacina há mais de 14 dias; ou receberam a 2ª dose há menos de 6 meses e mais de 14 dias; ou recuperados de covid-19 (imunidade natural) que receberam a 1ª dose há mais de 14 dias.
  • vacinados sem revalidação – população sem imunidade natural que recebeu a 2ª dose há mais de 6 meses, incluindo aqueles nessa situação que receberam a 3ª dose há menos de 14 dias.
  • não vacinados – indíviduos que receberam a 2ª dose há menos de 14 dias, ou receberam menos de 2 doses, e aqueles que adquiriram imunidade natural do vírus mas não se vacinaram após a recuperação ou receberam a 1ª dose há menos de 14 dias.
Infecções por SARS-CoV-2 e casos severos de covid-19 por 100 mil habitantes para maiores de 60 anos. Fonte/arte: © Israel Ministry of Health
Infecções por SARS-CoV-2 e casos severos de covid-19 por 100 mil habitantes para maiores de 60 anos. Fonte/arte: © Israel Ministry of Health
Infecções por SARS-CoV-2 e casos severos de covid-19 por 100 mil habitantes para menores de 60 anos. Fonte/arte: © Israel Ministry of Health
Infecções por SARS-CoV-2 e casos severos de covid-19 por 100 mil habitantes para menores de 60 anos. Fonte/arte: © Israel Ministry of Health
Fonte/arte: © Israel Ministry of Health
Fonte/arte: © Israel Ministry of Health
Fonte/arte: © Israel Ministry of Health

Leitura recomendada:

Veja também: