Atualização 30/10 - O Ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, defende as escolas manterem o ensino presencial, apesar do aumento dos números de casos de covid-19.

"As escolas não são focos privilegiados de propagação da doença", afirmou Brandão Rodrigues na comissão parlamentar de Educação, na sexta-feira (30).

Questionado sobre a adoção do ensino misto nos concelhos com mais transmissão, o Ministro insistiu:

"O ensino presencial tem que continuar a acontecer".

Em Borba, a decisão de interromper as atividades seguiu recomendação da Autoridade de Saúde local e foi autorizada pela Diretora-Geral da Saúde.

No concelho de Vila Viçosa, o Agrupamento de Escolas anunciou, na quinta-feira (22), que, com autorização da Unidade de Saúde Pública, Agrupamento de Centros de Saúde do Alentejo Central e da Direção Geral da Saúde, a partir de hoje verifica-se o encerramento total deste agrupamento de escolas.

"São interrompidas todas as atividades letivas e não letivas presencias, desde o ensino pré-escolar até ao ensino secundário, até nova avaliação da situação", disse o agrupamento de escolas.

Durante o período, as atividades serão realizadas na modalidade de ensino à distância, com obrigatoriedade do dever de assiduidade por parte dos alunos, de acordo com o horário de cada turma.

A Administração Regional de Saúde (ARS) do Alentejo informou que há 63 pessoas infectadas com SARS-CoV-2, o vírus que provoca a doença covid-19, referentes a um surto relacionado à Santa Casa da Misericórdia local.

De acordo com a atualização de dados de quinta-feira de manhã da Autoridade de Saúde Pública, os infectados são pacientes (29) e funcionários (9) de unidades da Santa Casa da Misericórdia de Vila Viçosa e pessoas da comunidade (25).

A Câmara de Vila Viçosa divulgou que existem no concelho 71 casos ativos de infecção com o vírus da covid-19, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

A Câmara de Borba informou que existem no concelho 24 casos ativos.

Em Portugal, morreram 2.245 pessoas dos 109.541 casos de infecção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

* Com informações do Jornal de Negócios

Leitura recomendada:

Veja também: