Segundo relatório do Gabinete do Governo, divulgado nesta segunda-feira (15), o Produto Interno Bruto (PIB) do 4º trimestre cresceu 12,7% anualizado em relação ao 3º trimestre.

Em uma base trimestral, a economia do Japão terminou 2020 tendo recuperado a maior parte da produção perdida desde março passado, uma recuperação mais rápida do que o esperado.

O Ministro da Economia, Yasutoshi Nishimura, disse que os resultados mostram a capacidade de recuperação da economia, embora o país ainda não esteja fora de perigo. Os gastos dos consumidores permanecem abaixo da média, disse, e as exportações podem cair se o vírus desencadear mais restrições na Europa ou em outros mercados importantes.

A perspectiva imediata depende de quanto tempo dura o estado de emergência do Japão.

"O PIB mostra que a economia pode se recuperar se o vírus não interromper as coisas", disse Yoshimasa Maruyama, economista-chefe de mercado da SMBC Nikko Securities Inc. "A pandemia não quebrou as cadeias de suprimentos ou capacidades de produção como um terremoto e muitas famílias estão prontas para gastar dada a baixa taxa de desemprego".

Os gastos do governo, o apoio ao empréstimo do Banco do Japão e uma cultura corporativa e de funcionários que tradicionalmente coloca a segurança do trabalho à frente dos altos salários ajudaram a manter o desemprego em apenas 2,9%.

Ainda assim, cortes salariais podem limitar a intensidade da retomada dos gastos das famílias após o término do estado de emergência, reprimindo a demanda.

"O melhor é se os salários melhorarem e o consumo aumentar, mas ainda não chegamos lá", disse o economista Hiroaki Muto da Sumitomo Life Insurance. "O primeiro trimestre vai cair novamente, mas estamos em uma tendência de recuperação".

Atualização 17/02 -  As exportações do Japão em janeiro registraram o maior crescimento (+6,4% face janeiro de 2019) em 27 meses.

As exportações de janeiro foram lideradas por um aumento de +37,5% nas exportações para a China, a maior expansão desde abril de 2010, juntamente com um salto de +19,4% nos embarques para a Ásia como um todo.

Entre os itens de exportação com crescimento sólido estão equipamentos de fabricação de chips para países como China e Coreia do Sul. As exportações de equipamentos de produção de semicondutores aumentaram +50,5% em janeiro e as de plástico +30,4%, enquanto as de automóveis caíram -5,8% devido à desaceleração da demanda na Europa e as de autopeças recuaram -0,5%.

Atualização 19/02 - O governo rebaixou nesta sexta-feira (19) sua avaliação da economia pela primeira vez em 10 meses, com o consumo desacelerando sob o estado de emergência em curso.

“A economia japonesa mostra fraqueza em alguns componentes” e permanece em uma situação grave devido à pandemia, embora continue a mostrar sinais de recuperação, disse o Gabinete do Governo em seu relatório mensal de fevereiro.

A visão sobre os gastos do consumidor foi revisada para baixo pelo terceiro mês consecutivo.

O estado de emergência, que exige que as pessoas fiquem em casa e que restaurantes e bares fechem cedo, foi prorrogado por mais um mês, até 7 de março.

“Acredita-se que mais pessoas se abstiveram de sair durante a emergência prolongada, que acreditamos ter afetado o consumo de forma negativa, especialmente os gastos com refeições fora e outros serviços”, disse um funcionário do governo a jornalistas.

O governo japonês rebaixou sua avaliação sobre a economia doméstica pela última vez em abril, quando foi declarada a primeira emergência devido ao vírus.

* Com informações do Japan Times

Veja também: