"Quero começar dizendo explicitamente que a guerra Rússia-Ucrânia não começou a crise de segurança alimentar. Ela simplesmente adicionou combustível a um fogo que estava queimando há muito tempo. Uma crise que detectamos tremores muito antes da pandemia expor a fragilidade de nossas cadeias de suprimentos", disse Menker.

"Compartilho isso porque acreditamos que é importante que todos entendam que, mesmo que a guerra termine amanhã, nosso problema de segurança alimentar não vai embora tão cedo sem uma ação concertada".

Menker disse que, devido aos aumentos de preços nas principais culturas este ano, foram adicionados 400 milhões de indivíduos ao contingente de pessoas em situação de insegurança alimentar, e destacou que, no caso do trigo, atualmente só tem 10 semanas de consumo global em estoque no mundo.

"As condições hoje são piores do que as experimentadas em 2007 e 2008", disse. "É importante notar que os menores níveis de estoque de grãos que o mundo já viu estão ocorrendo agora, enquanto o acesso a fertilizantes é altamente limitado, e a seca em regiões produtoras de trigo em todo o mundo é a mais extrema em mais de 20 anos. Preocupações semelhantes de estoque também se aplicam ao milho e outros grãos. As estimativas dos governos não estão fechando".

Menker observou que as secas em todo o mundo estão contribuindo para a escassez de trigo, enquanto a escassez de fertilizantes e outros fatores climáticos agravaram a situação.

Os comentários de Menker seguem os de David Beasley, diretor executivo do Programa Mundial de Alimentos, que disse que o mundo está agora enfrentando "uma crise sem precedentes", observando que 49 milhões de pessoas em 43 nações estão "batendo à porta da fome".

Com a fome vem a desestabilização política, observou Beasley.

"Já estamos vendo tumultos e protestos ocorrendo enquanto falamos — Sri Lanka, Indonésia, Paquistão, Peru", disse. "Já vimos dinâmicas desestabilizadoras no Sahel de Burkina Faso, Mali, Chade. Estes são apenas sinais de coisas por vir".

Atualização 25/05/2022

O plantio de trigo na primavera dos EUA está avançando no ritmo mais lento em mais de 20 anos e apenas metade tinha sido realizado até domingo (22).

Minnesota tem apenas 11% plantado contra a média de 90% e Dakota do Norte 27% vs 80%. Esses dois estados cultivam dois terços da safra de trigo dos EUA.

O clima incomumente úmido no cinturão de trigo dos EUA está reduzindo a produção doméstica do grão. Enquanto isso, espera-se que o maior exportador de trigo do mundo, a Rússia, tenha uma safra recorde e alcance preços premium.

Veja também: