O valor das contratações das operações de crédito rural nos dois  primeiros meses da safra 2019/2020 (julho e agosto) foi de R$ 38,9  bilhões:

  • Custeio R$ 24,8 bilhões (+ 2%)
  • Investimento R$ 7,2 bilhões (+14%)
  • Comercialização R$ 4 bilhões  (-41%)
  • Industrialização R$ 2,9 bilhões (+40%).

Apesar de o crédito para a comercialização ser inferior ao da safra passada (R$ 6,8 bilhões), o número de contratos aumentou em 20%, atendendo a um maior número de produtores rurais.

O custeio do Programa Nacional de Apoio ao  Médio Produtor Rural (Pronamp) alocou R$ 5,9 bilhões (+28%) em 37.356 contratos (+15%).

Para o custeio do Programa Nacional de  Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) foram destinados R$ 4,4 bilhões (+16%) em 148.367 contratos (-2%).

As linhas de investimento tiveram  performance positiva, com o Pronamp alocando R$ 413 milhões  (+71%), com 3.268 contratos (+38%) e o Pronaf com R$ 2,1 bilhões (+15%) e 160.083 contratos (-4%).

Os números fazem parte do Balanço de Financiamento Agropecuário Safra 2019/2020,  divulgado nesta sexta-feira (6) pela Secretaria de Política Agrícola  (SPA) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), com  base nos dados do Sistema de Operações do Crédito Rural e do Programa  de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro), do Banco Central.

Dentre os programas de investimento, destaque para o Inovagro (Programa  de Incentivo à Inovação Tecnológica na Produção Agropecuária), Programa  ABC (Agricultura de Baixa Emissão de Carbono) e Moderinfra  (financiamento para o desenvolvimento da agropecuária irrigada  sustentável), respectivamente com variação de +109%, +55% e +45%  superior à safra passada.

* Com informações e dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Ver também: