Maior operador logístico do comércio eletrônico do País, a Empresa de Correios e Telégrafos anunciou que, pelo segundo ano consecutivo, não efetuará reajuste nos preços de encomendas nacionais e internacionais e dos serviços de importação e exportação.

Para o presidente dos Correios, Floriano Peixoto, a estatal deve incentivar o crescimento da economia nacional.

“A empresa espera, com as medidas anunciadas, permanecer como a maior parceira do e-commerce nacional, bem como importante incentivadora do crescimento da economia brasileira", disse Peixoto em nota.

"Nesse momento de recuperação econômica, é importante dar apoio às atividades de quem quer produzir, gerar valor – principalmente os micros e pequenos empreendedores que atuam no comércio eletrônico”, acrescentou.

A Black Friday, por exemplo, tem sido uma experiência exitosa na empresa, que tem investido nos últimos anos na criação de produtos específicos para o comércio eletrônico e procurado reduzir os prazos de entrega.

No ano passado, os Correios receberam mais de 19 milhões de encomendas no período, volume 42% superior ao registrado em 2020. Só no dia 29 de novembro, a estatal processou 3,4 milhões de encomendas, o que equivale a 417 mil por hora, 7 mil por minuto ou 116 volumes sendo postados por segundo.

Decorrente das mudanças no comportamento do consumidor, o crescimento do setor foi potencializado pela pandemia, que restringiu a circulação de pessoas e afetou o comércio convencional, avaliou a estatal.

Veja também: