O 5º Levantamento estima a produção gaúcha de soja em 13,7 milhões de toneladas frente 20,78 milhões de toneladas colhidas na safra passada.

No 4º Levantamento, em janeiro, a expectativa de produção era de 21,2 milhões de toneladas, 2% a mais que na safra 2020/2021.

A quebra nas lavouras de soja na região Sul e em parte do Mato Grosso do Sul deve diminuir a quantidade de soja colhida no Brasil para 125,5 milhões de toneladas, 9% menos que na safra passada. “A influência do fenômeno La Niña interferiu fortemente nas precipitações registradas”, disse o Diretor de Política Agrícola e Informações da Conab, Sergio De Zen.

A Emater/RS-Ascar calcula que o prejuízo financeiro nas lavouras de soja do Rio Grande do Sul na Safra de Verão 2021/2022 já supera R$ 28 bilhões.

Os dados do último boletim da Emater apontam que 257 mil propriedades foram atingidas pela estiagem no Rio Grande do Sul, sendo que 17 mil famílias estão com dificuldades de acesso à água. Cerca de 88 mil produtores de soja foram prejudicados e mais de 98 mil que tem lavouras de cultivo de milho.

A Emater destacou também o elevado número de produtores gaúchos de leite que tiveram a atividade afetada pela falta de chuvas. As perdas já alcançam 33 mil produtores, cerca de 75% dos produtores hoje ativos na cadeia leiteira.

Déficit hídrico

Depois de uma safra também prejudicada por déficit hídrico, que rendeu 4,39 milhões de toneladas no ciclo 2020/2021, a colheita de milho foi estimada pela Conab em 3,06 milhões de toneladas em janeiro e agora reestimada em 2,98 milhões de toneladas, um recuo de 32% sobre o ciclo anterior.

Segundo a Emater, a produção gaúcha de milho deve ser ainda menor, de 2,7 milhões de toneladas, uma redução de 55% em relação à estimativa inicial, de 6 milhões de toneladas, o que representa uma perda de R$ 5,2 bilhões. A pesquisa de campo ocorreu entre os dias 25 de janeiro e 4 de fevereiro nas unidades da Emater.

A Conab também revisou para baixo a estimativa das safras gaúchas de arroz e feijão.

Para o arroz, a expectativa de queda em relação às 8,3 milhões de toneladas colhidas na safra 2020/2021, se elevou de -2,3% em janeiro para -10,3% em fevereiro, ou 7,4 milhões de toneladas.

Já a expectativa para a safra do feijão é de queda de 39,4%, com a produção caindo de 57,2 mil toneladas no ciclo anterior para 34,7 mil toneladas.

Somadas as culturas de grãos do Rio Grande do Sul, a expectativa de quebra da Conab é de -28%, caindo de 33,5 milhões para 24,2 milhões de toneladas.

Veja também: