Segundo dados da Pesquisa de Emprego no Estado de São Paulo (Pesp), da FecomercioSP, divulgada na quarta-feira (7), a área mais impactada foi o varejo, com saldo negativo de -104 mil vagas nos primeiros oito meses de 2020.

No período de março a agosto, a redução de empregos CLT foi ainda maior, com o setor de serviços encolhendo em -240 mil vagas e o comércio registrando saldo negativo de -120 mil postos de trabalho formais.

Apesar da queda mais acentuada no comércio nos oito primeiros meses do ano, é o setor que encabeça a retomada agora, tanto pelo impacto dos recursos emergenciais na economia, a partir de maio, quanto pela flexibilidade no atendimento e no retorno físico dos consumidores de muitas áreas do varejo”, disse a FecomercioSP. "Os comerciantes também estão em vantagem na concorrência pela demanda, exemplificada pela maior busca dos consumidores por produtos nos supermercados do que serviços de restaurantes".

Capital

A pesquisa indica que na capital paulista os serviços tiveram redução de 60% dos empregos, com o fechamento de 100 mil vagas formais. No comércio da cidade houve perda de 60 mil empregos CLT – 40 mil deles no varejo, com as lojas de roupas e acessórios respondendo por um terço da redução (-12,4 mil vagas formais).

Desemprego é preocupação mundial

Segundo pesquisa envolvendo 12 mil líderes empresariais de 127 países, conduzida pelo Fórum Econômico Mundial, o desemprego é visto por executivos de empresas do mundo inteiro como a maior preocupação para os próximos dez anos.

As taxas de desemprego dispararam por causa dos lockdowns e de outras restrições, e há temores de que o pior ainda esteja por acontecer nos países em que trabalhadores foram colocados em licença.

Segundo Saadia Zahidi, diretora do Fórum, as interrupções de empregos e a crescente automação "estão alterando os mercados de maneira fundamental".

* Com informações da Agência Brasil, FecomercioSP

Veja também:

Leitura recomendada: