O CNN+ foi anunciado aos funcionários e assinantes como o futuro da rede. Executivos haviam apontado o serviço como o lançamento mais significativo desde que Ted Turner fundou a CNN em 1980.

A plataforma "serve superfãs da CNN, viciados em notícias e fãs de programação de não-ficção de qualidade", disse a CNN em um comunicado à imprensa após o lançamento.

Apenas 10 mil assinantes estavam assistindo a CNN+ diariamente, de acordo com dados obtidos pela CNBC.

O número de usuários ativos diários é uma métrica incomum para medir o sucesso — a comparação mais comum para serviços de streaming são os assinantes mensais. Mas o repórter da CNBC Alex Sherman disse que fontes da CNN só forneciam números diários, o que torna difícil comparar o serviço com seus rivais.

Antes do lançamento, a maior questão sobre o CNN+ era por que era necessário quando a rede CNN pode ser vista na TV e online.

A decisão de encerrar o serviço foi tomada pela nova administração depois que a WarnerMedia, controladora da CNN, fundiu-se com a Discovery para formar a Warner Bros Discovery (WBD) no início deste mês, justamente para o fortalecimento no segmento de streaming, fazendo frente à Netflix e Disney.

"Em um mercado de streaming complexo, os consumidores querem simplicidade e um serviço all-in que ofereça uma melhor experiência e mais valor do que ofertas autônomas e, para a empresa, um modelo de negócios mais sustentável para impulsionar nossos investimentos futuros em jornalismo e contação de histórias", disse o chefe de streaming da Discovery, J.B. Perrette, em comunicado.

"Temos oportunidades muito emocionantes pela frente no espaço de streaming e a CNN, um dos principais ativos de reputação do mundo, desempenhará um papel importante", acrescentou Perrette.

O novo CEO da CNN, Chris Licht, disse em uma reunião com funcionários que "este foi um lançamento incrivelmente bem sucedido" mas simplesmente incompatível com os planos da empresa recém-fundida. "Não é culpa sua que você teve o tapete retirado debaixo de seus pés", disse ao prometer minimizar os impactos para os funcionários.

Todos os funcionários da CNN+ continuarão a ser pagos e receberão benefícios pelos próximos 90 dias para explorar oportunidades na CNN, CNN Digital e em outros lugares do conglomerado Warner Bros. Discovery.

Os funcionários que não forem absorvidos em outras posições receberão um mínimo de seis meses de indenização. Centenas de funcionários da CNN+ podem perder seus empregos.

Durante a reunião, Perrette expressou frustração com a "liderança prévia" da CNN, comandada por Jeff Zucker até fevereiro, e da WarnerMedia, que foi liderada por Jason Kilar até o início de abril.

"Parte disso era evitável", disse, mas "a liderança anterior decidiu continuar" com o lançamento planejado em março da CNN+ apesar da iminente fusão.

O serviço de streaming acabou sendo lançado apenas duas semanas antes da fusão WarnerMedia-Discovery ser concluída, para a exasperação da liderança da Discovery, que tinha uma estratégia diferente, mas não podia se comunicar legalmente com executivos da CNN antes do acordo ser oficial.