Desenvolvido pelo Dr. Dan Milikovsky e pelo Prof. Alon Friedman dos Departamentos de Fisiologia e Biologia Celular, Ciências Cognitivas e do Cérebro da Ben-Gurion University (BGU), o novo método de diagnóstico analisa padrões de correntes elétricas naturalmente geradas pelos neurônios do cérebro.

O  método é baseado em descobertas do laboratório do Prof. Friedman de que pacientes com doença de Alzheimer e outras doenças cerebrais apresentam atividade semelhante a uma crise epiléptica não convulsiva que pode ser detectada por registros de eletroencefalograma (EEG).  

Essa atividade anormal reflete alterações patológicas na disfunção dos vasos sanguíneos cerebrais, que contribuem para a patogênese de vários distúrbios neurodegenerativos e outros neuropsiquiátricos.

“Pesquisas de nosso laboratório e de outros, mostram que as alterações patológicas nos vasos sanguíneos do cérebro, que geralmente são chamadas de barreira hematoencefálica (BBB), contribuem para a formação da doença de Alzheimer e de outros distúrbios cerebrais. Como a disfunção BBB também é um componente chave na patogênese da epilepsia, nós hipotetizamos que a disfunção BBB em pacientes com Alzheimer também desencadearia atividade cerebral anormal que poderia ser detectada por EEG, uma ferramenta acessível, e servir como um método diagnóstico para essas condições ", explicou o Prof. Friedman.

"De fato, encontramos registros de EEG anormais, semelhantes à epilepsia, em muitos pacientes com doença de Alzheimer, bem como epilepsia, que indicam patologia dos vasos sanguíneos do cérebro e podem servir tanto para o diagnóstico quanto como um alvo terapêutico", acrescentou.

Um crescente conjunto de evidências mostra que a atividade epiléptica é frequente, mas muitas vezes não diagnosticada, em pacientes com doença de Alzheimer e tem importantes implicações terapêuticas.

Analisando a atividade elétrica cerebral, o algoritmo proprietário desenvolvido pelos pesquisadores da BGU pode rapidamente diagnosticar e monitorar pacientes com doença de Alzheimer, acidente vascular cerebral (AVC), epilepsia e lesões na cabeça, bem como condições psiquiátricas.

"Esta nova abordagem para diagnosticar condições neurológicas com base na análise de alterações dos vasos sanguíneos no cérebro pode ser valiosa para a detecção precoce da doença de Alzheimer e outras condições neurológicas na fase em que o tratamento ainda pode retardar a progressão da doença", disse Josh Peleg, CEO da BGN Technologies, empresa de transferência de tecnologia da BGU.

* Com informações da Ben-Gurion University (BGU), BGN Technologies

Milikovsky et al. (Dec. 2019), Paroxysmal slow cortical activity in Alzheimer's disease and epilepsy is associated with blood-brain barrier dysfunction. Science Translational Medicine: Vol. 11, Issue 521

Veja também: