Atualizado em 20/01/2022

De acordo com um relatório da Federação Internacional de Robótica (IFR), a China no ano passado ficou em 9º lugar em densidade de robôs industriais – medida pelo número de unidades operacionais por 10.000 funcionários. Cinco anos antes, o país estava na 25º posição do ranking.

Com uma densidade de robôs de 246 por 10.000 funcionários, a China está distante da Coreia do Sul, que tem uma densidade atual de 932 e ocupa o primeiro lugar desde 2010, mas acima da média global (126) e próxima dos EUA (255).

"A China é de longe o maior mercado de robôs do mundo em vendas anuais e estoque operacional”, diz Milton Guerry, presidente da IFR.

A corrida de automação na China hoje é atendida principalmente por fabricantes estrangeiros de robôs com uma participação de mercado combinada de 73%.

Em 2020, as instalações de robôs do exterior – principalmente importados do Japão, Coreia e Europa – cresceram fortemente em 24% para 123.030 unidades, incluindo unidades produzidas na China por fornecedores não chineses.

Os fabricantes de robôs chineses entregam principalmente ao mercado doméstico, com 45.347 unidades instaladas em 2020.

Instalação anual de robôs industriais na China (em milhares de unidades). Fonte/Arte: © World Robotics 2021
Instalação anual de robôs industriais na China (em milhares de unidades). Fonte/Arte: © World Robotics 2021

O Ministério da Indústria e Tecnologia da Informação da China, em conjunto com outros 14 departamentos governamentais, preparou um plano separado para a indústria de robôs em seu 14º plano quinquenal, objetivando tornar o setor uma “fonte de inovação” global em robótica.

A China já é líder no número de patentes globais de robótica concedidas entre 2005-2019, somando 25.000 patentes, ou 35% do total, seguida pelo Japão (15.000), Coreia do Sul (11.000) e EUA (9.500), de acordo com um relatório publicado em novembro de 2021 pelo Center for Security and Emerging Technology, uma organização de pesquisa de políticas da Walsh School of Foreign Service da Universidade de Georgetown, nos Estados Unidos.

Note-se também que empresas japonesas como Fanuc e Yaskawa, líderes mundiais em automação industrial, estão investindo na China, exemplificando a potência tecnológica do leste asiático que surgiu.

A intervenção do governo chinês no setor ocorre quando Pequim está tentando atualizar sua economia em meio a uma crescente rivalidade tecnológica com os EUA.

O plano cita um ambiente global “cada vez mais complicado” e uma competição “cada vez mais intensa” e aponta os desequilíbrios entre oferta e demanda e a estabilidade da cadeia de suprimentos como desafios a serem superados. Indica também que a indústria de robótica da China enfrenta problemas que incluem a falta de acumulação de tecnologia, uma base industrial fraca e suprimentos de ponta insuficientes.

Até 2025, a China quer construir pelo menos 500 fábricas modelo de manufatura inteligente para liderar o desenvolvimento das tecnologias necessárias e cultivar pelo menos 150 fornecedores de soluções de manufatura inteligente.

O governo espera que a taxa média de crescimento anual da receita operacional da indústria de robótica ultrapasse 20%.

O plano afirma que as capacidades gerais de robótica da China estarão entre as melhores do mundo até 2035, quando os robôs se tornarão uma parte importante do desenvolvimento econômico, da vida cotidiana e da governança social da China.

“O plano tem um grande significado orientador para promover o desenvolvimento de alta qualidade da indústria de robótica da China durante o 14º período. Os robôs são o equipamento chave da indústria moderna. O novo plano de 5 anos busca o desenvolvimento digital e a atualização da fabricação inteligente na China, e também ajuda a promover o progresso global da tecnologia de robôs”, comentou Song Xiaogang, diretor executivo e secretário-geral da China Robot Industry Alliance (CRIA).

O plano possui cinco eixos:

  • Melhorar as capacidades de inovação industrial
    A China buscará desenvolver e fortalecer as principais tecnologias promovendo P&D dentro do país – particularmente em áreas como cognição biônica e integração biomecânica, e a integração com outras tecnologias, como 5G, mineração de dados e computação em nuvem.
  • Consolidar a base para o desenvolvimento industrial
    A China está estabelecendo uma organização nacional de padronização de robôs e pretende participar ativamente dos trabalhos de padronização internacional.
  • Aumentar a oferta de produtos
    A indústria de robótica da China procura atender às necessidades de manufatura, mineração, construção e agricultura, serviços domésticos, serviços públicos e médicos e de saúde, entre outros setores. O país planeja ajudar a expandir as séries de produtos existentes, melhorar o desempenho, a qualidade e a segurança dos robôs existentes e promover o desenvolvimento de robôs especializados.
  • Expandir as aplicações
    Embora já existam muitas aplicações para os robôs existentes, o governo chinês está procurando explorar novas áreas onde os robôs podem ser úteis. Para isso, o país está promovendo a colaboração entre empresas de robótica e mecânicas.
    O país também quer explorar novos modelos de negócios para empresas de robótica, como uma nova plataforma de serviços de locação e serviços de nuvem inteligente.
  • Otimizar a estrutura da organização industrial
    Para esta tarefa, a China planeja promover novas e especializadas empresas “pequenas gigantes”. São empresas de pequeno e médio porte que se concentram na especialização e no refinamento da tecnologia, bem como na inovação.

O plano inclui ainda cinco medidas de salvaguarda para garantir a implementação:

  • fortalecer o planejamento e a coordenação geral;
  • aumentar o apoio fiscal, tributário e financeiro;
  • criar um bom ambiente de mercado;
  • melhorar o sistema de segurança de talentos; e
  • aprofundar os intercâmbios e a cooperação internacional.

O governo chinês planeja também promover uma cadeia de suprimentos forte e estável. Para isso, está incentivando a colaboração das camadas superior, média e inferior da cadeia industrial. Esta etapa envolve a criação de polos de robótica estratégicos com forte capacidade de inovação em todo o país.


IFR China data overview - new peak in 2020

Sales

  • 168,377 new robots installed (45,347 units from Chinese suppliers),
    20% higher than in 2019
  • CAGR 2015-2020: +20%
  • Global ranking 2020: No.1
  • Shares of total supply: Handling operations 42%; welding 21%;
    electrical/electronics industry 37%; automotive industry 16%.

Stock of operational robots

  • About 943,200 units, 21% higher than in 2019
  • CAGR 2015-2020: +30%
  • Global ranking 2020: No. 1

* Com dados e informações da International Federation of Robotics (IFR)

Leitura recomendada:

Veja também: