Os comboios do protesto vão passar até 11 dias nas estradas, sendo prevista a chegada na região metropolitana de Washington em 5 de março.

Brian Brase, um dos organizadores do comboio de Adelanto, na Califórnia, disse à Reuters que, independentemente de onde os caminhões pararem, eles "não vão a lugar nenhum" até o fim de todos os mandatos e do estado de emergência.

Os caminhoneiros também pedem a "restauração da Constituição de nossa nação".

Um comunicado emitido pelos organizadores do grupo de Adelanto chamou o movimento de "Comboio do Povo" e disse que é multicultural e apartidário.

A nota diz que a covid-19 está sob controle e os "americanos precisam voltar ao trabalho de forma livre e irrestrita".

"A mensagem do Comboio do Povo é simples. Os últimos 23 meses da pandemia têm sido um caminho difícil para todos os americanos viajarem: espiritualmente, emocionalmente, fisicamente e, não menos importante, financeiramente.  Com o advento da vacina e agentes terapêuticos viáveis, juntamente com o trabalho árduo de tantos setores que contribuíram para o declínio dos casos de covid-19 e da gravidade da doença, agora é hora de reabrir o país.  O trabalhador americano médio precisa ser capaz de acabar com as dificuldades econômicas dos últimos dois anos, e voltar ao seu ganha pão – para que possam pagar seus aluguéis e hipotecas e ajudar a impulsionar a economia. Para isso, é hora das autoridades eleitas trabalharem com os trabalhadores de colarinho azul e colarinho branco da América e restaurarem a responsabilidade e a liberdade – levantando todos os mandatos e acabando com o estado de emergência –, já que a covid está sob controle agora, e os americanos precisam voltar ao trabalho de forma livre e irrestrita", diz o comunicado.

"O comboio está sendo auxiliado por militares aposentados e especialistas em segurança, que estão liderando a logística a fim de garantir uma jornada 100% segura, legal e pacífica", diz a nota. A chegada está programada para 5 de março.

Os veículos carregam cartazes com slogans como "Legalize a liberdade".

O caminhoneiro Dallas Hughbanks, 60, disse  à agência Associated Press que sua mensagem é liberdade de escolha. "Não seremos violentos. Não vamos tentar bloquear nada, apenas fazer um comboio e conscientizar as pessoas".

O Pentágono aprovou o envio de 700 soldados da Guarda Nacional desarmados ao Distrito de Columbia para controle de tráfego a partir da próxima semana. A polícia de Washington e a polícia do Capitólio pediram ao Pentágono reforços para lidar com os comboios de caminhoneiros.

Leitura recomendada:

Veja também: