O Plenário da  Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (11) a Medida Provisória  893/19, que transfere o Conselho de Controle de Atividades Financeiras  (Coaf) do Ministério da Economia para o Banco Central (BC), reestruturando o órgão. A matéria será enviada ao Senado.

O Coaf tem a atribuição de produzir informações para prevenir e combater a lavagem de  dinheiro, aplicando penas administrativas a entidades do sistema financeiro que não enviarem os dados necessários para esse trabalho de inteligência.

Um destaque aprovado por acordo entre os partidos retirou dentre as atribuições do  órgão a de produzir informações para o combate ao financiamento do terrorismo.

Nome permanece

A Câmara aprovou a MP na forma do projeto de lei de conversão do deputado Reinhold Stephanes Junior (PSD-PR),  que reverte alterações feitas originalmente pelo texto encaminhado pelo  Poder Executivo, como a mudança de nome do Coaf para Unidade de  Inteligência Financeira (UIF) e a transformação do plenário (órgão  colegiado) em conselho deliberativo.

Assim, o órgão continuará a se  chamar Coaf.

Esse plenário é  a principal instância decisória e contará com o presidente do Coaf e  mais 12 servidores ocupantes de cargos efetivos. Atualmente, são 11.

Terão assento  no Coaf, além do presidente, representantes do Banco Central, da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), da Superintendência de Seguros Privados (Susep), da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN), da  Receita Federal, da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), do  Ministério das Relações Exteriores, do Ministério da Justiça e Segurança  Pública, da Polícia Federal, da Superintendência Nacional de  Previdência Complementar (Previc), da Controladoria-Geral da União (CGU)  e da Advocacia-Geral da União (AGU).

Todos serão escolhidos e indicados pelo presidente do Banco Central, assim como o secretário-executivo, os titulares das diretorias especializadas e os servidores e empregados cedidos ao Coaf ou por ele requisitados.

A requisição  de servidores para o Coaf será considerada irrecusável, mas os cedidos  ao órgão não poderão trabalhar no Banco Central.

Antivazamento

O texto de Stephanes inclui dispositivo para permitir a punição, com pena de reclusão de 1 a 4 anos para aquele que quebrar o sigilo ao fornecer ou divulgar informações obtidas no trabalho junto ao Coaf a pessoas sem autorização legal ou judicial para acessá-las, como a imprensa.

O relator colocou no texto outras proibições previstas no Decreto 2.799/98,  que regulamentava o órgão antes da edição da MP, como de participar de  empresas que são fonte das informações com as quais trabalha o Coaf,  tais como bancos, corretoras, casas de câmbio, bolsas de valores,  seguradoras, administradoras de cartões de crédito e outras.

Servidores do  Coaf não poderão emitir parecer sobre matéria de sua especialização para terceiros, ainda que em tese, ou atuar como consultor dessas empresas. Serão proibidos de manifestar, em qualquer meio de comunicação, opinião sobre processo pendente de julgamento no  Coaf.

Atribuições

Nas atribuições do plenário do Coaf, o relator incluiu as pessoas físicas entre aquelas que podem sofrer penalidades administrativas se deixarem de repassar as informações pedidas.

Esse colegiado deverá ainda decidir sobre as orientações e diretrizes estratégicas de  atuação propostas pelo presidente do conselho e sobre o convite de especialistas em matéria correlacionada à atuação do Coaf para aperfeiçoar processos de gestão e de inovação tecnológica.

Processo administrativo

Os processos administrativos para apurar responsabilidades no âmbito do  Coaf serão disciplinados pela diretoria colegiada do Banco Central, que  definirá o rito, os prazos e os critérios para gradação das penalidades  previstas.

O recurso poderá ser apresentado ao Conselho de Recursos do Sistema Financeiro Nacional.

Dívida ativa

Em relação às multas que deixaram de ser pagas ou estão creditadas com  recurso ou contestadas na Justiça, o texto prevê que elas farão parte da  dívida ativa do Banco Central a partir de 20 de agosto de 2019, data de  vigência da MP 893/19.

As anteriores a esta data continuam a ser parte da dívida ativa da União.

O texto também  mantém os cargos em comissão e as funções de confiança da estrutura  existentes no Coaf em 19 de agosto de 2019. O órgão poderá contar ainda com o auxílio do procurador do Banco Central.

Até 31 de dezembro de 2020, os ministérios da Economia e da Justiça deverão dar apoio técnico e administrativo para o funcionamento e operação do Coaf.

Agência Câmara Notícias
Reportagem – Eduardo Piovesan
Edição – Pierre Triboli

Veja também: