O primeiro F-39E Gripen da Força Aérea Brasileira (FAB), das 36 unidades compradas da empresa sueca SAAB, chegou de navio no domingo (20) no Porto de Navegantes, em Santa Catarina, foi transportado para um hangar do Aeroporto Internacional de Navegantes, e hoje voou para a unidade industrial da Embraer em Gavião Peixoto (SP), para testes no GFTC (Gripen Flight Test Center).

As atividades incluem testes de funcionalidades únicas das unidades fornecidas para o Brasil, como integração de armamentos e o sistema de comunicação Link BR2, e testes da aeronave em condições climáticas tropicais.

O caça deve ser apresentado oficialmente em 23 de outubro, em Brasília, em cerimônia alusiva ao ao Dia do Aviador e da Força Aérea Brasileira.

Os aviões do Programa Gripen foram comprados no governo da ex-presidente Dilma Rousseff. O contrato com a SAAB, assinado em 2014, prevê a aquisição de 36 aeronaves e um amplo programa de transferência de tecnologia, totalizando 39,3 bilhões de coroas suecas (US$ 4,3 bilhões na cotação atual), “o maior negócio na história da empresa”, segundo a própria fabricante.

A transferência de tecnologia foi um dos principais motivos para o governo optar pelo Gripen. O contrato prevê que 15 caças serão produzidos e montados no Brasil.

A cooperação tecnológica entre Brasil e Suécia foi enfatizada hoje pelo Ministro da Defesa Fernando Azevedo e Silva.

"O Gripen aumenta a capacidade operacional da Força Aérea Brasileira e impulsiona uma parceria que fomenta a pesquisa e o desenvolvimento industrial dos dois países", disse o Ministro.

O presidente da Embraer Defesa & Segurança, Jackson Schneider, afirmou que a empresa responderá pelo desenvolvimento de sistemas, integração, testes de voo, montagem final e entrega das aeronaves.

“Como parte da transferência de tecnologia, o Programa Gripen será uma grande oportunidade para aumentar nosso conhecimento no desenvolvimento e manufatura de uma aeronave avançada de combate", disse Schneider.

Para o Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Antonio Carlos Moretti Bermudez, a chegada da primeira unidade é um grande marco para o programa.

"É uma imensa satisfação para a Força Aérea Brasileira ver esta aeronave voando em território nacional. O F-39E/F Gripen, novo multimissão da FAB, será a espinha dorsal da Aviação de Caça e veio para reafirmar o nosso compromisso em manter a soberania do País, defendendo os 22 milhões de quilômetros quadrados sob sua responsabilidade".

O Gripen E usa mísseis ar-ar, como AIM-120C-7 AMRAAM, AIM-9X Sidewinder e MBDA Meteor, contrastando com visões modernas dos EUA e da Europa. Foto: © Divulgação/SAAB
O Gripen E usa mísseis ar-ar, como AIM-120C-7 AMRAAM, AIM-9X Sidewinder e MBDA Meteor, contrastando com visões modernas dos EUA e da Europa. Foto: © Divulgação/SAAB

A Aeronáutica recebeu o primeiro Gripen em uma cerimônia realizada em 10 de setembro do ano passado, na cidade de Linköping, na Suécia. Um primeiro voo experimental tinha sido realizado em agosto. Foi um voo de cerca de uma hora com objetivo de engenheiros e responsáveis avaliarem o manuseio básico, o comportamento do caça em diferentes altitudes e velocidades e o funcionamento dos sistemas. O avião está cumprindo um programa de testes de dois anos.

* Com informações da FAB, SAAB, Agência Brasil

Veja também: