A negociação busca reduzir o preço final do combustível, que não foi impactado pela redução de ICMS, pois a aliquota do imposto estadual para o diesel já estava enquadrada ou próxima do percentual para produtos essenciais.

O País importa atualmente em torno de 25% de suas necessidades de diesel, de acordo com a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Cerca de 80% das importações brasileiras de diesel são de refinarias americanas, que estariam redirecionando expressivo volume do combustível para a Europa.

Segundo Sérgio Araújo, presidente da Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom), as empresas independentes praticamente pararam de comprar combustível do exterior.

Araújo afirma que as importações de diesel e gasolina estão concentradas apenas em Petrobras, Vibra (ex-BR), Raízen e Ipiranga.

Há dois anos, o País tinha cerca de 30 importadores independentes ativos.

“Estamos solucionando o problema. Zerei os impostos federais, os governadores, por força de lei, reduziram também o ICMS. Na minha ida à Rússia, acertei fertilizantes para o agronegócio e, agora, está quase certo um acordo para comprarmos diesel bem mais barato da Rússia, onde a Petrobras e alguns já compraram mais caro”, disse o Presidente em conversa com apoiadores na saída do Palácio da Alvorada nesta segunda-feira (11).

Mais tarde, no salão nobre do Palácio do Planalto, Bolsonaro falou aos jornalistas enquanto o presidente aguardava a chegada da presidente da Hungria, Katalin Novák, para uma visita oficial.

O presidente brasileiro disse que a expectativa é que o diesel importado da Rússia chegue ao Brasil a um preço menor, sem detalhar vendedor, comprador, volume negociado, valor e moeda da transação, forma de pagamento e outras condições.

"A previsão nossa é em dois meses chegar o diesel mais barato. Tem os estoques. Nós importamos quase 30%. Agora, você tem que importar diesel de quem está vendendo mais barato, e não importar à vontade de quem está vendendo até mais caro, porque aumentando o preço aqui aumenta o lucro da Petrobras", afirmou.

Segundo o Presidente, o diesel pode baixar de preço até mesmo antes da chegada das importações russas caso haja uma nova redução no preço do petróleo Brent.

“A Petrobras está agora com um presidente que o fim social pela Lei das Estatais vai ser observado. O petróleo brent baixou de US$ 100 dólares, voltou a subir um pouquinho, acredito que se houver uma certa constância, um pouco abaixo de US$ 100, tem espaço para diminuir imediatamente o preço nas refinarias daqui, porque quando aumentava, aumentava, então quando diminui, a gente espera que diminua também", afirmou.

O presidente destacou ainda a evolução de parcerias com empresas russas e lembrou sua decisão de manter neutralidade após a intervenção militar da Ucrânia, um conflito não dissimulado entre os países da OTAN e a Rússia.

“A Rússia continua fazendo negócio com o mundo todo, parece que as sanções econômicas não deram certo" disse Bolsonaro. "A energia da Europa depende em grande parte da importação de gás da Rússia. O rublo, que o pessoal achou que ia virar pó, foi o que mais valorizou no corrente ano. É um grande país, tem o dobro da extensão nossa. E o Brasil manteve uma posição de equilíbrio. Lógico que a gente gostaria que não houvesse guerra”.

Fertilizantes

Bolsonaro disse que também já acertou a garantia de fornecimento de fertilizantes russos para o Brasil.

A imprensa da Rússia noticiou, nesta segunda-feira, que o governo russo, a pedido da Associação Russa de Produtores de Fertilizantes, está trabalhando na possibilidade de aumentar o número de pontos de saída na fronteira para expandir a exportação de fertilizantes.

Os produtores vêm diminuindo o uso de portos bálticos, embora em 2021 eles tenham sido usados para transportar cerca de 9 milhões de toneladas.

As rotas de exportação do sul, por exemplo, para o Brasil, são principalmente de interesse dos produtores de fertilizantes nítricos e de potássio. A rota de transporte é encurtada e não há despesas para o trânsito para Kaliningrado através da Lituânia e Bielorrússia. A alternativa é o corredor de transporte Norte-Sul através do Mar Cáspio.

De acordo com Dmitry Baranov, da Finam Management, o uso de capacidades portuárias adicionais que os produtores de fertilizantes estão pedindo ajudará a aumentar as entregas no exterior em 15%.

Atualização 12/07/2022

O Ministro das Relações Exteriores, Carlos Franca, confirmou nesta terça-feira (12) que o Brasil está fechando acordos para compra de diesel da Rússia.

"Precisamos garantir que haverá diesel suficiente para o agronegócio brasileiro, e, é claro, para os motoristas brasileiros", disse França durante uma visita à sede da Organização das Nações Unidas (ONU), em New York.

"Dependemos muito das exportações de fertilizantes da Rússia e da Bielorrússia também. E é claro, a Rússia é um grande fornecedor de petróleo e gás", disse França.

Veja também: