Segundo o diretor de negócios internacionais da empresa, Rogério Rosso, será a primeira vacina covid a ser integralmente produzida no Brasil.

A União Química já tem pronta uma unidade biotecnológica em Brasília, a Bthek, para a produção em larga escala do ingrediente farmacêutico ativo (IFA).

O imunizante será fracionado e envasado em Guarulhos, município da região metropolitana de São Paulo.

A meta é fabricar 8 milhões de doses por mês ainda no primeiro semestre.

A vacina Sputnik V custa US$ 10 por dose para compradores internacionais.

O Fundo de Investimento Direto Russo (RDIF), financiador do desenvolvimento da vacina, anunciou acordos de fornecimento com o México (32 milhões de doses), Brasil (Governo da Bahia, até 50 milhões), Índia (100 milhões), Uzbequistão (até 35 milhões), Egito (25 milhões), Argentina (até 25 milhões), Bolívia (2,6 milhões) e Venezuela (10 milhões).

Os acordos de produção no exterior incluem 150 milhões de doses anuais pela farmacêutica sul-coreana GL Rapha e 100 milhões de doses pela indiana Hetero Labs.

No Brasil, a União Química aguarda autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para iniciar os ensaios clínicos de fase 3.

Na segunda-feira (4), a Anvisa pediu dados complementares para autorizar o estudo.

Veja também: