As obras começaram nesta semana, e a previsão do governo de Goiás é que sejam concluídas em mais duas semanas. A escolha do local foi a pedido do governo estadual de forma a complementar os sistemas de saúde de Goiás e do Distrito Federal.

"A gente espera que ninguém ocupe. É igual seguro de vida, a gente paga mas espera não usar. A gente está fazendo o possível. Temos um preço bastante alto para pagar, mas, em troca de vidas, tudo é possível. A gente pede a Deus que tudo dê certo. Como disse o [ministro da Saúde, Luiz Henrique] Mandetta, há uma preocupação nossa com a questão do emprego também, temos que colocar um limite em tudo o que for possível para não extrapolar”, afirmou o Presidente Bolsonaro, ao lado do Governador de Goiás, Ronaldo Caiado.

Mandetta disse que foi pessoalmente ao local, que estava parado há 20 anos, para verificar o que é necessário para construção de uma unidade do tipo.

“Aqui tem uma obra paralisada de um hospital que nunca saiu para chegar na ponta e agora a gente está tendo que improvisar para dar um mínimo de atendimento. [...] O que nos resta é fazer uma unidade de campanha, improvisada, para não deixar ter inassistência”, disse Mandetta.

* Com informações da Agência Brasil

Leitura recomendada:

Veja também: