Os três principais índices fecharam o mês, o trimestre e o semestre no vermelho.

O índice Dow Jones Industrial Average caiu -15% nos seis primeiros meses do ano. O Nasdaq Composite fechou o semestre com perda de -30%.

Gráficos: © Gabriel Cortes/CNBC Fonte: FactSet
Gráficos: © Gabriel Cortes/CNBC Fonte: FactSet

Um aumento nos rendimentos dos títulos no início do ano e as avaliações de ações historicamente caras fizeram os papéis de tecnologia caírem primeiro, à medida que os investidores saíam das áreas orientadas para o crescimento do mercado.

Todos os setores caíram no semestre, com exceção das ações de energia, que tiveram +30% de valorização. As ações da Exxon Mobil subiram +40% no período, enquanto as da Chevron avançaram +23%.

O segmento de consumo discricionário foi o que apresentou o pior desempenho, com queda de -34%.

O mercado de ações levou apenas 161 dias para cair de seu pico em janeiro para um limite de queda de 20% em junho – bem abaixo do tempo médio de 245 dias em mercados de baixa anteriores.

A correção afetou a generalidade dos ativos financeiros – arrasando os preços das criptomoedas e fazendo disparar os juros dos títulos.

Como pano de fundo está a inflação elevada, com os investidores continuando a vender ações em meio a crescentes temores de recessão provocados pelo aumento da inflação e a acentuada subida das taxas de juros pelo Federal Reserve (Fed). Um cenário que, na reunião anterior, tinha sido afastado pelo próprio presidente do banco central americano, Jerome Powell.

Na tentativa de enfrentar a maior inflação em quatro décadas, o Fed já promoveu três aumentos consecutivos de sua taxa básica de juros, hoje entre 1,50% e 1,75%.

“Acreditamos que o mercado de ações ainda não atingiu o fundo e vemos mais quedas pela frente. Os investidores devem manter níveis elevados de caixa agora”, disse à CNBC George Ball, presidente da Sanders Morris Harris. “Vemos o S&P 500 chegando ao fundo em cerca de 3.100 pontos, pois as medidas agressivas, mas necessárias, de combate à inflação do Federal Reserve provavelmente deprimirão os lucros corporativos e empurrarão as ações para baixo”.

Veja também: