Atualização 23/12 - A Resolução nº 6/2020, publicada no Diário Oficial da União desta quarta-feira (23), estabelece que as vacinas covid que tiverem autorização para uso emergencial no Brasil não terão o preço avaliado pela Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED), dado seu caráter experimental.

"Uma vez protocolizado o Documento Informativo de Preço referente ao pedido de precificação junto à Secretaria-Executiva da CMED, a empresa farmacêutica solicitante já poderá comercializar a vacina pelo preço proposto, até que sobrevenha decisão final da CMED".
Atualização 28/12 - A autoridade de saúde dinamarquesa está recomendando que os médicos e enfermeiras usem todas as doses extras que possam obter dos frascos da vacina da Pfizer-BioNTech. Os frascos de 5 doses recebidos no país contém até 2,2ml mas a imunização requer 0,3ml, sugerindo que a empresa está entregando gratuitamente, ao menos à Dinamarca, um adicional de 40% de doses.

Após receber críticas de um partido belga, a Secretária de Estado do Orçamento, Eva De Bleeker, divulgou em rede social uma tabela com os preços das vacinas – removida meia hora depois.

O gênio, porém, já estava fora da garrafa.

Reprodução: © DPG Media
Tabela do governo belga com preços por dose, quantidades e custo total. Reprodução: © DPG Media

"Os fatos: 33,5 milhões de doses de vacinas serão compradas este ano", escreveu De Bleeker em sua mídia social. "E no total vamos pagar 279 milhões de euros".

Ela também informa que no orçamento de 2021 estariam previstos 500 milhões de euros para compras adicionais de vacinas, caso necessário.

As seis vacinas covid listadas por De Bleeker foram negociadas pela União Europeia, com os países-membros devendo pagar os seguintes preços por dose:

  • AstraZeneca: €1,78
  • Johnson & Johnson: US$ 8,50 (€6,94)
  • Sanofi/GSK: €7,56
  • BioNTech/Pfizer: €12
  • CureVac: €10
  • Moderna: US$ 18 (€14.70)

* Com informações do Het Laatste Nieuws (HLN)

Veja também: