Sob o plano original, proposto em 2003, a Bélgica deveria construir uma usina movida a gás natural ao norte de Bruxelas e desligar seus reatores nucleares operados pela França até 2025.

A vida útil dos dois reatores (Doel 4 e Tihange 3), que entraram em operação em 1985, "pode ser estendida por 10 anos", informou o Primeiro-Ministro Alexander De Croo, em coletiva de imprensa nesta sexta-feira (18).

Os dois reatores, que juntos compreendem 35% da capacidade de energia nuclear do país, estão localizados no leste da Bélgica e na área da Antuérpia e cada um gera 1.038 megawatts. As duas usinas nucleares são compostas por um total de sete reatores, todos operados pela empresa francesa Engie.

No ano passado, o governo belga confirmou que fecharia as duas usinas nucleares nos três anos seguintes, mas estudava a opção de geração de energia utilizando reatores modulares (Advanced Small Modular Reactors - SMRs).

De Croo disse na coletiva que a Bélgica irá acelerar sua transição para energia renovável, embora não tenha especificado que tipo de energia.

Atualização 04/04/2022

Os Estados Unidos aumentaram suas compras de petróleo russo em 43% entre 19 e 25 de março, de acordo com dados da Administração de Informações sobre Energia (EIA). Apesar da proibição da Casa Branca de importações de energia da Rússia, os EUA continuam a comprar até 100.000 barris de petróleo russo por dia.

Leitura recomendada:

Veja também: