No final de julho, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac)  redistribuiu os 41 slots da Avianca em Congonhas para três das quatro  empresas que manifestaram interesse nas autorizações. A Azul ficou com  15 slots, a Passaredo com 14 e a MAP linhas aéreas, com 12.Todos os  slots se referem a horários que eram operados pela Avianca na pista  principal de Congonhas.

Segundo a Anac, as empresas MAP e Passaredo "deverão comprovar, junto  ao operador aeroportuário e ao órgão de controle do espaço aéreo, o  atendimento de requisitos operacionais exigidos para operação no  aeroporto."

O motivo da comprovação se deve ao tipo de aeronave utilizado pelas  empresas. MAP e Passaredo, que utilizam aviões turboélice ATRs, com  capacidade máxima de 70 passageiros, o que poderia ocasionar problemas  na operação do aeroporto, o mais movimentado do país. A única que opera  com aeronaves compatíveis com a frota da Gol e da Latam, de maior  capacidade, é a Azul.

Após a aprovação, as empresas poderão iniciar a oferta de voos de  acordo com os horários alocados. Caso alguma empresa não seja autorizada  a operar, os slots voltarão para o banco e serão distribuídos conforme a  nova regra definida pela agência reguladora.

Na ocasião, a Anac disse ainda que, em razão das aeronaves operadas  pela empresa Two Flex, os 14 slots solicitados pela empresa foram  alocados na pista auxiliar de Congonhas e estão pendentes de confirmação  pelo Centro de Gerenciamento de Navegação Aérea (CGNA).  A TWO, opera a  aeronave Caravan, de nove lugares.

A decisão de redistribuir os slots foi tomada pela Anac no dia 25 de  julho, em reunião extraordinária e vale para a temporada de 27/10/2019 a  28/03/2020, mas, segundo a Anac, considerando o nível crítico de  concentração e alta saturação da infraestrutura de Congonhas, as  empresas estão autorizadas a iniciar imediatamente a oferta de voos.