Depois de anunciar que começará a voar para Nova York e fechar a compra da companhia regional Two Táxi Aéreo, operadora da marca TwoFlex, o presidente da Azul, John Rodgerson, foi ao Ministério da Economia nesta quinta-feira (16) discutir entraves burocráticos.

Rodgerson afirma que no atual sistema tributário, a exportação e posterior importação da mesma aeronave teria custo menor que comprar o avião no Brasil.

No ano passado, a Azul/AerCap encomendou 51 jatos E195-E2, aviões comerciais de última geração (E2) da família E-Jet da Embraer, com a possibilidade de acrescer 24 unidades ao pedido original em janeiro de 2020.

A AerCap é líder global em arrendamento de aeronaves, com US$ 43 bilhões em ativos totais e 1.373 aviões próprios, gerenciados ou encomendados (junho/2019).

A frota da Azul atualmente opera 60 jatos da Embraer – E190 (6), E195 (50) e E195-E2 (4) – além de aeronaves da Airbus e ATR.

Nesta quinta-feira (16), Rodgerson revelou ao Presidente Bolsonaro que a aérea decidiu expandir a contratação de 51 para 75 aviões E195-E2, a maior aeronave comercial que a Embraer já produziu.

“Estou aqui para anunciar para você que vamos comprar 75”, disse Rodgerson.

A encomenda é significativa para a Embraer, pois a fabricante teria recebido menos de 200 pedidos para os novos jatos E2.

A Azul teria ficado especialmente satisfeita com as vantagens econômicas da aeronave E195-E2 em comparação com a geração anterior, incluindo uma redução de 25% no custo por assento e de 20% no custo de manutenção, menor consumo de combustível e maior disponibilidade anual, entre outras avaliações.

A Azul planeja operar a frota de jatos E195-E2 na configuração de classe única, com 136 assentos, em várias rotas domésticas e internacionais.

Na entrega do primeiro E195-E2, em setembro de 2019, David Neeleman, fundador e presidente do conselho de administração da Azul, ironizou a repercussão em Brasília em torno das companhias estrangeiras de baixo custo que estão começando a operar no Brasil.

"Vamos receber mais 50 aviões feitos no Brasil, contratar 2.000 funcionários e estamos crescendo 30%, mas tem alguém em Brasília que fica mais feliz com o fato de que algumas empresas talvez tenham um voo por dia para o Brasil. Vamos olhar para quem está investindo de verdade no País", afirmou.

David Neeleman fundou as aéreas de baixo custo JetBlue Airways e WestJet Airlines. Atualmente comanda a TAP Air Portugal.

* Com informações do AirlineGeeks e Embraer

Veja também: