Negociadas por valores superiores a US$ 150 milhões, estas são as 10 pinturas de maior preço vendidas entre 2010 e 2019:

(1) Salvator Mundi, atribuida a Leonardo da Vinci

  • US$ 450 milhões em 2017

A pintura a óleo sobre painel de 45x65 cm mostra Cristo como Salvador do Mundo vestido com roupas da era renascentista. Em sua pintura, Leonardo da Vinci (1452-1519) apresenta Cristo como ele é caracterizado no evangelho de João 4:14: 'E vimos e testemunhamos que o Pai enviou seu Filho como Salvador do Mundo'. Cristo olha fixamente para o espectador, levemente barbudo com cachos castanhos, segurando uma esfera de cristal na mão esquerda e oferecendo bênção com a direita.

Embora existam renomados especialistas em arte renascentista que questionam a atribuição da pintura à Leonardo, ela foi vendida em leilão na Christie's em New York em novembro de 2017 por US$ 450.312.500, estabelecendo um novo preço recorde para uma obra de arte.

(2) Interchange, de Willem de Kooning

  • US$ 300 milhões em 2015
Interchange (1955), de Willem de Koonings e Number 17A (1948), de Jackson Pollock.Art Institute of Chicago. Kenneth C. Griffin comprou as duas pinturas em um pacote de US$ 500 milhões em 2015.

Interchange é uma pintura a óleo de 1955 medindo 175x200 cm do renomado pintor expressionista abstrato holandês-americano Willem de Kooning , vendida pela Fundação David Geffen em transação privada para o bilionário americano Kenneth C. Griffin por US$ 300 milhões em setembro de 2015. Atualmente emprestado e exibido no Art Institute of Chicago.

Estilisticamente, Interchange marca uma das eras mais transformadoras na carreira de um dos artistas abstratos mais importantes do século XX.

Willem de Kooning (1904-1997) nasceu em Rotterdam e mudou-se para os Estados Unidos em 1926, tornando-se cidadão americano em 1962. Em 1943, casou-se com a pintora Elaine Fried. Além de ser um pintor influente, era uma força vital de conexão entre seus contemporâneos. Ele era amigo e incentivador de Arshile Gorky, Jackson Pollock, Franz Kline e dezenas de outros expressionistas abstratos.

(3) The Card Players, de Paul Cézanne

  • US$ 250 milhões em 2011
The Card Players (versão Qatar), de Paul Cézanne [domínio público]
The Card Players (versão Qatar), de Paul Cézanne [domínio público]

The Card Players é uma série de cinco pinturas a óleo do pós-impressionista francês Paul Cézanne (1839-1906). As pinturas, todas representando cenas de camponeses provençais jogando cartas, foram feitas durante o período artístico final de Cézanne, no início da década de 1890. As versões variam em tamanho, número de jogadores e a configuração em que o jogo ocorre. Cézanne elaborou cada composição a partir de rascunhos que ele havia feito de camponeses locais.

Uma dessas versões de The Card Players foi vendida em uma transação privada para a Família Real do Catar por um preço estimado em US$ 250 milhões em 2011. A pintura foi vendida pelo magnata grego George Embiricos, que acumulou uma impressionante coleção de arte ao longo de sua carreira que incluiu obras de Goya, Kandinsky, Picasso, van Gogh e Bacon.

(4) Nafea faa ipoipo (Quando te Casarás?), de Paul Gauguin

  • US$ 210 milhões em 2015
Nafea Faa Ipoipo (1892), de Paul Gauguin [domínio público]
Nafea Faa Ipoipo (1892), de Paul Gauguin [domínio público]

Quando te Casarás? (When Will You Marry?) é uma pintura a óleo de 1892 medindo 77x101 cm do pós-impressionista francês Paul Gauguin (1848-1903). A obra foi emprestada ao Kunstmuseum em Basileia, na Suíça, por quase meio século, e vendida em fevereiro de 2015 pela família de Rudolf Staechelin ao xeique Al-Mayassa bint Hamad bin Khalifa Al-Thani por cerca de 210 milhões de dólares

Paul Gauguin chegou ao Taiti em 1890 determinado a revitalizar sua arte mergulhando no que considerava uma cultura imaculada pelos costumes ocidentais. Mas o Taiti que imaginava não existia mais desde o século XVIII, quando foi colonizado pelos franceses.

Gauguin retratava os nativos como seres que viviam apenas para cantar e fazer amor. Mas, é claro, ele sabia a verdade, que o Taiti era uma ilha qualquer, com uma comunidade internacional e ocidentalizada.

As pinturas de taitianos, incluindo Nafea faa ipoipo, foram vistas com relativa indiferença quando Gauguin voltou para a França. Gauguin colocou esta pintura em consignação e a obra não teve compradores. Staechelin finalmente comprou a pintura na galeria Maison Moos, em Genebra, em 1917.

(5) Nº 17A, de Jackson Pollock

  • US$ 200 milhões em 2015

Nº 17A foi criado em 1948 pelo famoso pintor expressionista abstrato americano Jackson Pollock (1912-1956). Foi feita com tinta a óleo sobre compensado de 72x56 cm. É um dos melhores trabalhos da arte radical e excepcionalmente única da pintura por gotejamento que Pollock introduziu no mundo em 1947. Atualmente emprestado e exibido no Art Institute of Chicago.

O mundo da arte exibiu reações variadas com suas pinturas e as críticas foram polarizadas. Sua primeira série de pinturas por gotejamento estreou na Betty Parsons Gallery, em Nova York, em 1948. Menos de um ano depois, Pollock apareceu em um artigo da Life Magazine com a manchete "Ele é o maior pintor vivo dos Estados Unidos?"

(6) Nº 6 (Violet,  Green and Red), de Mark Rothko

  • US$ 186 milhões em 2014

Nº 6 é uma pintura de 1951 do artista expressionista abstrato russo Mark Rothko (1903-1970). Assim como os outros trabalhos de Rothko desse período, o Nº 6 consiste em grandes extensões de cores delineadas por tons irregulares e nebulosos. Foi comprado por 140 milhões de euros por Dmitry Rybolovlev em 2014.

Rothko introduziu o Expressionismo Abstrato. Caracterizado por faixas brilhantes de cores horizontais pintadas em telas enormes, o estilo de Rothko pretendia envolver os espectadores na obra de arte. Nomeado de forma ambígua para que os espectadores pudessem formar suas próprias impressões, ele utilizou uma paleta de reposição com as tonalidades mais escuras colocadas no topo para simbolizar a depressão mental que o atormentava.

O uso da cor por Rothko transmitiu uma mensagem íntima e intensa sem assunto e aderiu ao seu credo de que uma boa pintura deve ter um significado profundo enraizado nos conceitos de mortalidade e espiritualidade.

(7) Pendant portraits of Maerten Soolmans and Oopjen Coppit, de Rembrandt

  • US$ 180 milhões em 2015

Rembrandt van Rijn (1606-1669) pintou o retrato duplo de Maerten Soolmans e sua esposa Oopjen Coppit em 1634. Aos 28 anos de idade, o artista estava no auge de sua carreira. Ao escolher esse tipo de retrato, raro na época, o casal quis mostrar seu status social. Embora os temas tenham sido pintados individualmente, os retratos foram mantidos juntos desde o início.

Pertencentes à família Rothschild desde 1877, os dois retratos tornaram-se propriedade do Museu do Louvre e do Rijksmuseum em 2015, depois que os dois museus conseguiram contribuir cada um com metade do preço de venda de 160 milhões de euros, um recorde para as obras de Rembrandt.

(8) Les Femmes d'Alger, de Pablo Picasso

  • US$ 179 milhões em 2015

Les Femmes d'Alger (Mulheres de Argel) é uma série de 15 pinturas e vários desenhos do artista cubista espanhol Pablo Picasso (1881-1973). A série, criada em 1954-1955, inspirou-se na pintura de Eugène Delacroix de 1834, Femmes d'Alger dans leur appartement.

A versão "O" da série teria sido adquirida pelo ex-primeiro ministro do Qatar Hamad bin Jassim bin Jaber Al Thani por US$ 179.365.000 em leilão da Christie's.

(9) Nu  Couché, de Amedeo Modigliani

  • US$ 170 milhões em 2015
Nu couché (1917), de Amedeo Modigliani [domínio público]
Nu couché (1917), de Amedeo Modigliani [domínio público]

O mais caro Modigliani dos nus do pintor, "Nu Couché" (1917-18), foi comprado pelo bilionário chinês Liu Yiqian por 170,4 milhões de dólares em 2015.

A obras faz parte de uma série de 22 nus recostados pintados entre 1916 e 1919, apenas nove dos quais permanecem de propriedade privada.

O pintor e escultor italiano Amedeo Modigliani (1884-1920) é conhecido por retratos e nus em um estilo moderno, caracterizado por composições assimétricas e alongamento de rostos, pescoços e figuras, que não foram bem recebidos no seu tempo, mas mais tarde encontraram grande aceitação.

As características das cabeças esculpidas de Modigliani – pescoço e nariz compridos, traços simplificados e rostos ovais compridos –  tornaram-se típicas de suas pinturas. Nos seus desenhos, Modigliani tentou atribuir a função de limitar ou delimitar volumes a seus contornos. Ele reduziu e quase eliminou o uso de gradações de luz e sombra para obter a ilusão da tridimensionalidade e alcançou uma sensação de solidez com contornos fortes e a riqueza de cores justapostas.

A única exposição individual da obra de Modigliani a ocorrer durante sua vida, em 1917, foi encerrada em poucas horas, considerada obscena pela polícia parisience.

(10) Nu couché (Sur le côté gauche), de Amedeo Modigliani

  • US$ 157 milhões em 2018
Nu couché (Sur le côté gauche) (1917), de Amedeo Modigliani [domínio público]
Nu couché (Sur le côté gauche) (1917), de Amedeo Modigliani [domínio público]

No total, Modigliani completou 22 nus recostados e treze nus sentados entre 1916 e 1919, com a maioria das telas  pintada em 1917.

Nu couché (sur le côté gauche) mede 90x147 cm e tinha sido adquirida na Christie's por US$ 26,887,500 em 4 de novembro 2003.

* Com informações e dados da Christie's e Sotheby's

* Imagens: Directmedia Publishing GmbH, The Yorck Project Gesellschaft für Bildarchivierung GmbH (German law: UrhG § 87), Zenodot Verlagsgesellschaft mbH, Gagosian Gallery

Veja também: