Antes da mudança, os planos de saúde tinham prazo de três dias úteis para autorizar o pedido do exame, utilizado para confirmar diagnósticos de infecção pelo novo coronavírus.

A cobertura do exame RT-PCR é obrigatória nos casos de síndrome gripal e síndrome respiratória aguda grave (SRAG).

Os planos de saúde também são obrigados a cobrir testes sorológicos, que detectam a presença de anticorpos, com solicitação médica.

Os grupos cobertos são os que apresentaram síndrome gripal ou SRAG e já tenham passado do oitavo dia dos sintomas, e crianças e adolescentes com quadro suspeito de síndrome multissistêmica inflamatória pós-infecção pelo SARS-CoV-2.

Não está obrigatoriamente coberto para realizar teste sorológico quem: testou positivo em exame RT-PCR para SARS-CoV-2; testou positivo em teste sorológico anterior; testou negativo em teste sorológico há menos de uma semana, desde que não seja menor de idade com suspeita de síndrome multissistêmica; tenha feito testes rápidos; recebeu a prescrição do teste para rastreamento, retorno ao trabalho, contato próximo com caso confirmado, pré-operatório, controle de cura, verificação de imunidade pós-vacinal.

Outros seis exames auxiliares ao diagnóstico da covid-19 também têm cobertura obrigatória prevista pela ANS:

  • Dímero D (dosagem);
  • Procalcitonina (dosagem);
  • Pesquisa rápida para Influenza A e B;
  • PCR em tempo real para Influenza A e B;
  • Pesquisa rápida para Vírus Sincicial Respiratório; e
  • PCR em tempo real para Vírus Sincicial Respiratório.

* Com informações da Agência Brasil

Leitura recomendada:

Veja também: