Atualizado em 22/11/2021

"O BTG recebeu quatro ofertas, entre elas uma de Nelson Tanure e outra de José Seripieri Filho, o 'Junior da Qualicorp'. Mas o martelo está prestes a ser batido em favor de um fundo de investimentos", informa o periódico.

Seripiero Filho teria entrado em contato com o jornal para negar que tenha feito oferta pela carteira da Amil, mas a coluna reafirmou a informação publicada.

Nesta segunda-feira (22), a assessoria do empresário divulgou a seguinte nota de resposta:

"Sobre a nota Negócio (quase) fechado publicada na data de 21/11/2021 na coluna do jornalista Lauro Jardim, no jornal O Globo, afirmamos que é inverídica a informação de que José Seripieri Filho (Junior) participa da negociação para a aquisição da carteira de planos individuais da operadora Amil neste momento. Seripieri inclusive declinou de participar desse processo. Importante ressaltar ainda que o empresário não tem mais nenhuma relação com a empresa Qualicorp há 2 anos, e lamenta não ter sido previamente consultado pelo jornalista para publicação da nota".

Desinvestimentos

Há exatamente um ano, o Valor Econômico noticiou que o UnitedHealth Group, controlador da Amil, tentava se desfazer das carteiras desde o 1º semestre de 2020.

Estavam sendo vendidos 370 mil dos 465 mil beneficiários de seus planos individuais de carteiras de São Paulo, Rio e Curitiba. O pacote incluía os hospitais Paulistano, Caieiras e Sumaré, em São Paulo, e o Hospital Vitória, em Curitiba.

Dona da Amil desde 2012, a empresa trocou a gestão no fim do ano passado.

Em julho deste ano, a coluna de Lauro Jardim informou que a Amil estava desde fevereiro tentando, sem sucesso, vender parte de sua carteira de planos individuais e três hospitais próprios que possui no Nordeste.

Na semana passada, ainda segundo a coluna, o UnitedHealth Group colocou novamente à venda, via BTG Pactual, sua carteira de planos de saúde individuais.

Não ficou claro se o negócio inclui hospitais da Amil.

Pelas regras da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), a empresa que adquirir essas carteiras é obrigada a oferecer aos usuários hospitais do mesmo padrão dos ofertados pela Amil.

Em São Paulo, segundo relatos de usuários, as redes de laboratórios Delboni e CDB não estão mais credenciadas para atender os beneficiários de planos individuais da Amil. Até mesmo exames agendados foram cancelados.

Veja também: