A peça Flor do Meu Bem-Querer montada em 2003 não poupava nomes como os do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, e do então recém-empossado Luiz Inácio Lula da Silva, e teve temporada de muito sucesso no antigo Teatro Cultura Artística. Reescrita pelo autor Juca de Oliveira e com direção de Léo Stefanini, a versão atualizada promete trazer muitas risadas para o público.

Juca desconversa sobre as provocações. "Neste momento, precisamos de solidariedade, fugir de agressões, não existe nenhum cutucão no fígado de ninguém", alerta o autor, que está no palco na pele do caipira Nhô Roque.

O personagem é um camponês batalhador, casado com Dos Anjos (Rosi Campos), que criou a afilhada Flor (Natallia Rodrigues). A garota descobre que está grávida e são remotas as chances de ter a paternidade do filho reconhecida pelo Senador Zé Otávio (Léo Stefanini), o dono da Fazenda Bem-Querer. O político está em campanha à reeleição, com sérios problemas. Com o dinheiro congelado na Suíça, a fazenda é vendida e eles têm que sair, o que é em si, uma enorme tragédia.

Os políticos citados são poucos e incluem Bolsonaro, Lula e Alckmin. "As referências ao noticiário fazem parte do universo do Juca, mas a peça não tem discurso ou defesa partidária, o importante é sensibilizar a plateia", diz Stefanini.

Elenco

Nhô Roque: Juca de Oliveira
Dos Anjos: Rosi Campos
Senador Zé Otávio: Léo Stefanini
Chico Lima: Fabio Herford
Vanessa: Bruna Miglioranza
Flor: Natallia Rodrigues
Jacinto: Daniel Warren
Tati (locução em off): Angela Dippe

Teatro Renaissance
A Flor do Meu Bem-Querer
Classificação etária: 14 anos
Duração: 80 minutos
Temporada: de 6 de agosto a 30 de setembro
Sessões: sextas, às 21h; sábados, às 19h; domingos, às 17h
Endereço: Alameda Santos 2233, Cerqueira César, São Paulo/SP
Telefone: 3069-2286
Horário da Bilheteria: sexta, sábado e domingo, das 14h até o início do espetáculo
Estacionamento no local, vallet do hotel

Veja também: